Facebook

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Limbonautas - Destino: TERRA (1998)

Nome: LIMBONAUTAS
Título: Destino: TERRA
Ano: 1998
Cidade: Curitiba
Estado: PR
Detalhes da Produção: Gravado e mixado ao vivo em 2 canais no Estúdio Solo em 25 de maio de 1998 por Limbonautas. Engenheiro de Som: Alessandro Laroca
Formação: Daddy Jr (guitarra e vocal), Jeff Gordon (baixo e vocal), Gusano do Espaço (bateria) e Tintim From Zero Zone (guitarra e vocal).
Origem da demo-tape: Coleção particular (Edson Luís - Jaraguá do Sul-SC)



01. No Drugs (02:14)
02. Cérebro, Prá Que Te Quero? (01:32)
03. Get A Life (02:10)
04. Voodoo É Prá Jacu (03:08)
05. Ególatra Anônimo (01:53)
06. O Funil (02:02)

Tempo total: (13:01)

Tamanho do arquivo: 21,2 MB (6 músicas [192kbps] + 3 imagens)

Download











LIMBONAUTAS
Destino: Terra
(Bloody)
Por Abonico R. Smith

Veterano das batalhas do underground curitibano, o incansável JR Ferreira (todo-poderoso do porão 92 Degrees e do selo Bloody, líder os cultuados e extintos Jully Et Joe e Intruders) mais uma vez aperta seu dispositivo de trasmutação sonora, agora para preencher a lacuna deixada pelo estado de animação suspensa de sua banda anterior, os Magnéticoss. Sob a nova identidade de Daddy Jr, recrutou três amigos para formar um novo projeto.

Ao lado de Jeff Gordon (baixo e vocais), Gusano do Espaço (bateria) e outro velho de guerra, o guitarrista Tintim From Zero Zone (ex-integrante da histórica banda local de psychobilly Missionários), Daddy Jr inventa os Limbonautas.

Não há maiores novidades na primeira demo da banda. A fórmula histórica já é conhecida: músicos adotam nomes estrambólicos e fingem ser misteriosos visitantes de outro planeta (no caso, o Limboland). O som é o velho cruzamento entre punk rock e surf music, com pitadas extras de outros gêneros. Quem conhece o currículo de JR também não se surpreende com a estética da tosqueira: a barulheira foi gravada e mixada ao vivo no estúdio, tudo em apenas dois canais.

Apenas seis músicas integram esta demo. Não há refrões (no melhor sentido do termo, o de coleção marcante de versos e linhas melódicas), os vocais são quase berrados e as letras falam temas díspares como egolatria ("Ególatra Anônimo"), niilismo absoluto ("O Funil"), drogas diversas ("No Drugs") e reflexões filosóficas sobre a inteligência humana ("Cérebro, Pra Que Te Quero?"). Com a falta do maior hit da banda, a gozação titânica "É Preciso Saber Morrer", restam a duas músicas as grandes apostas para ganhar o público. "Voodoo É Pra Jacu" é uma divertida historieta psycho, na qual o protagonista estrebucha no meio da rua e agoniza com um prego espetado na mente. O ska disfarçado de "Get A Life", entretanto, opta pela mensagem otimista e alerta que realmente existe vida após a perda da namorada, do emprego e dos amigos.